Observe essa frase de um autor desconhecido:

“O melhor lugar para esconder um cadáver é a segunda página de pesquisa do Google”

Agora, imagine uma criança que acaba de nascer. Ela precisa se acostumar com cores, sons, sensações, tato, respiração, alimentação. E ela aprende tudo naturalmente. Com o tempo, ela vai aprimorando seus sentidos e aprende a fazer coisas por conta própria, comer, andar, necessidades e assim por diante. Ela explora toda a base que ela teve de aprendizado e evolui. Por exemplo, com a respiração como base, ela aprende a falar.

Agora, imagine-se na seguinte situação: um parente seu, que nunca usou a internet antes, acabou de comprar um notebook e está acessando a internet pela primeira vez. Você está incumbido da tarefa de mostrar a essa pessoa o que é possível fazer nesse lugar gigantesco. Quais são as primeiras coisas que você mostraria para esse parente?

Dou 10 segundos para você pensar!

Provavelmente, você deve ter chegado em algumas opções como criar uma conta no Facebook e curtir fotos das pessoas, aprender a enviar um e-mail, acessar a página inicial de um portal de notícias. E em algum lugar dessa sua lista de coisas a ensinar deve estar “pesquisar algo no Google”. Todas são tarefas básicas para quem está começando com a internet e, a partir do aprendizado dessas, a pessoa provavelmente vai derivar novas atividades para se fazer na internet.

Mas é bem capaz que, de todas essas, o Google seja a ferramenta que vai dar mais possibilidades para que ela explore a internet, para que aprenda coisas novas, para que tire dúvidas sobre os mais variados assuntos, encontre lojas, saiba chegar a determinado lugar, aprenda uma receita boa para fazer no almoço de família no final de semana. Enfim, as possibilidades são infinitas. Só dependem da necessidade.

Se tem algo que acompanha para sempre a vida de alguém que usa a internet, isso com certeza são as buscas. Você pode cansar da sua conta no Facebook e deletá-la, pode viver sem uma conta no Instagram, pode trocar o acesso a um portal de notícias por um feed. Porém, dificilmente você vai deixar de usar um buscador quando precisar saber de algo que não conhece ou de que não se lembra.

Todo mundo usa buscas. Não acredita? Dê uma olhada no relatório do Alexa, órgão que provê dados sobre o acesso a internet no mundo todo, com os principais sites acessados em 2021:

Relatório do Alexa com os sites mais acessados

Dos 11 primeiros, três são apenas buscadores: Google, Youtube e Baidu, um buscador chinês. Já o Youtube também é um buscador, mas é buscador de vídeos.
Ou seja, dos 5 sites mais acessados do mundo, 3 são buscadores. O mundo
inteiro usa os buscadores para encontrar algo.
Agora, imagina você, dono de um negócio, precisando de clientes e sem
ser visto por cliente nenhum?

Por que eu deveria me preocupar em aparecer no resultado das buscas?

Seu chefe acabou de colocá-lo em um novo projeto. Você vai criar um novo sistema para sua empresa usando o framework Ruby on Rails, tecnologia que você não conhece e vai ter que aprender. Você decide procurar um livro para aprender, vai ao Google e procura por “livro de rails”.

Busca por ‘livro de rails’ no Google

Se nenhuma dessas lojas aparecesse na busca, como elas conseguiriam
vender?

Imagine você em uma tarde de sábado andando na Rua 25 de Março fazendo compras na véspera de Natal. Vários vendedores tentando, de diversas maneiras, chamar sua atenção para que você entre nas lojas deles. Quando alguém procura por algo no Google é exatamente a mesma coisa (exceto que ninguém vai ficar puxando você pelo braço de forma inconveniente).

Para quem tem um site, uma das melhores formas de conseguir clientes e audiência (pessoas que acessam seu site) é através dos resultados de busca. Ser encontrado pelas pessoas é primordial, seja você um comércio eletrônico, físico ou um prestador de serviço.

Apenas para que você tenha uma ideia, em média 85.8% dos acessos aos sites que mantenho vêm de buscas. Um deles é o blog desse artigo, o Como Desenvolver. É impossível imaginar o blog com 85.8% menos de acessos e, por que não, 85.8% menos clientes e 85.8% menos faturamento. Tudo está relacionado. Se as pessoas não têm como saber sobre seu site, elas não vão acessá-lo e você não terá clientes. Se você não tiver clientes, não vai vender o seu produto ou serviço e, com isso, não terá faturamento.

Contribuição das buscas no site Como Desenvolver

Aparecer nos resultados do Google é o passo 0 pra quem quer conseguir
mais acessos e mais clientes para seu site.

Só aparecer nas buscas não é suficiente. É preciso aparecer de verdade!

Estar no Google é importante, mas, claro, muitos outros fatores influenciam no sucesso do seu site. Algumas delas podem até parecer óbvias no começo.

Lembra da história da véspera de Natal na 25 de Março? Pois então, você ainda está lá no começo da sua saga para comprar uma linda árvore de natal. No começo da rua, você vê uma loja que parece ser bacana e, pelo que o vendedor que está do lado de fora da loja diz, parece que ali tem a árvore que você está procurando. Você é convencido a entrar naquela loja por dois motivos:

  • 1º Por convencimento: antes de você entrar, o vendedor o convenceu de que ali é o lugar ideal para você achar o que procurava;
  • 2º Por conveniência: é o primeiro lugar interessante que apareceu.

Agora já imaginou a loja que fica no final da rua? Quantas pessoas vão andar até lá? Poucas.

Nos sites de busca, a ideia é a mesma. Não basta só estar nos resultados de busca. Você precisa estar nos primeiros resultados. No mínimo na primeira página você tem que estar. Poucas pessoas vão até a segunda página dos resultados da busca. Terceira página, então? Você praticamente não existe.

De acordo com um estudo publicado recentemente, a Sistrix analisou mais de 80 milhões de palavras-chave e bilhões de resultados de pesquisa para entender como os usuários se envolvem nas buscas.

Sistrix – Google CTR per ranking

O primeiro resultado orgânico da Pesquisa Google tem uma taxa média de cliques de 28,5% o clique médio cai drasticamente após a posição um, com a segunda e a terceira posição tendo uma taxa de cliques de 15% e 11%, respectivamente, a décima posição no Google tem uma taxa de cliques abismal de 2,5%.

Quando você observa no estudo a quantidade de tráfego de acordo com a página em que o resultado aparece na busca, temos um número que parece mais absurdo ainda, mas que faz todo o sentido: 91% dos sites acessados através de uma busca estão na primeira página dos resultados (considerando que o padrão do Google é mostrar 10 resultados por página).

Ou seja, é primordial ter uma forte presença nos resultados de busca. Claro, cada tipo de negócio poderá ter uma expectativa diferente com relação aos seus resultados. Negócios que tradicionalmente são offline ainda podem levar algum tempo para gerar bons retornos diretamente pelas buscas, mas ainda assim, sites, lojas e serviços estarem disponíveis na internet é uma tendência para o futuro e sem volta. Portanto, quanto antes você estiver preparado para se dar bem nisso, melhor.

E o que eu posso fazer?

Você deve ter percebido que aparecer nos resultados de busca é importante, mas aparecer bem é primordial. E tenha em mente que você terá concorrência. Então, como conseguir aparecer bem?

Uma primeira possibilidade é através das resultados patrocinados, como o Google Ads. Nesse caso, você paga uma quantia por clique, que pode variar desde de poucos centavos até muitos reais, de acordo com a palavra chave. Quanto mais concorrência pelo termo, mais caro custará o clique. Note como normalmente é feita a distribuição quando há resultados patrocinados:

Links patrocinados vezes Resultado orgânico

A primeira vista pode parecer interessante pagar para ter seu site nos primeiros resultados sempre, no entanto, a longo prazo pode não ser uma estratégia financeiramente sustentável, já que pode facilmente se tornar cara de acordo com o número de cliques que há.

A estratégia barata e que funcionará sempre a longo prazo é rankear bem organicamente, sem depender de pagamentos. Aliás, geralmente até mesmo o retorno é mais interessante com o ranking orgânico, justamente pelo baixo custo de implementação.

Existem diversas técnicas para conseguir ter um bom ranking organicamente. São vários detalhes que em conjunto farão com que você tenha um site interessante, usável e, como consequência, aparecerá bem nas buscas. Isso é importante. O importante para que seu site apareça bem nas buscas é ter um site bom (você vai aprender nos próximos artigos as características que fazem um site bom) e, como brinde, você aparecerá bem nas buscas e terá mais acessos.

Mas para isso, você precisará se preparar, estudar e entender como entrar nesse jogo. Aliás, eu falo que é um jogo, pois uma vez que você entende os princípios, fazer um site bom se torna algo viciante e você quer cada vez mais deixá-lo melhor.

Todas essas técnicas que como consequência fazem com que seu site rankeie bem são as famosas SEO Search Engine Optimization, que você vai aprender durante os próximos artigos.

Você vai perceber durante essa nossa descoberta do mundo do SEO que muitas coisas são subjetivas. São muitas variáveis e fatores envolvidos e com frequência teremos que tomar decisões em trade-off, ou seja, teremos que abrir mão de algumas coisas para ganhar em outras coisas. São decisões com que teremos que aprender a lidar. Além disso, no mundo do SEO, as coisas mudam com muita velocidade. Portanto, sempre desconfie do que lê e, se ficar em dúvida de algo, apele para o bom senso e pense em como seria melhor para o usuário de suas páginas. Esse é o caminho que os buscadores estão seguindo para saber como rankear as páginas. Se for bom para o usuário, o ranking será bom.

O primeiro passo para saber como fazer seu site aparecer bem rankeado nos buscadores é saber como as buscas funcionam. E garanto, não é algo trivial. Preparado?